Higienização profissional de equipamentos

Sempre que se ouve falar em limpeza residencial ou comercial imagina-se o serviço das diaristas. Existe, no entanto, um setor de higienização muito mais profissionalizado, o qual muitas vezes as pessoas nem sequer se recordam que existe, talvez porque de fato ele não é tão recorrente quanto a limpeza de cômodos e interiores de casas ou escritórios.

Assim, uma empresa de limpeza e higienização profissional a esse nível lida com soluções voltadas para os seguintes casos:

  • As estações de esgoto;
  • As cisternas e fossas;
  • O controle de pragas;
  • Os cilindros de gás;
  • As caixas d’água, etc.

Os profissionais que atuam nessa área precisam estar habilitados para lidar com produtos químicos, que muitas vezes são perigosos e difíceis de manipular. Como também para lidar com trabalho em elevadas alturas e em áreas e ambientes que oferecem risco de confinamento e até mesmo de afogamento.

Por essas e outras razões é indicado que apenas empresas realizem esse tipo de solução.

A limpeza de tanques, silos e cisternas

Um dos serviços mais tradicionais que essas empresas de higienização profissional prestam diz respeito à famosa limpeza de cisterna, que tem como demanda ir desde o atendimento de uma chácara ou residência de pessoas físicas, até o tanque de grandes empresas e corporações que não raro lidam com produtos químicos em seus tanques e silos.

De fato, muitas indústrias precisam armazenar líquidos potáveis ou não potáveis e fazem isso lançando mão de enormes compartimentos de armazenamento.

Esses tanques e silos podem ser localizados no nível do solo, ou acima dele em elevações estruturais devido a razões estratégicas, ou mesmo abaixo do solo de modo subterrâneo. Um exemplo clássico é o dos postos de gasolina, que normalmente têm tanques de armazenamento subterrâneo.

O importante nesse setor é manter a limpeza do local em função do líquido que ali é abastecido, porém também se trata dos riscos enormes de corrosão que esse tipo de compartimento enfrenta. Por isso, há normas e diretrizes da própria ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que regulam as taxas de corrosão que cada segmento deve controlar.

No caso residencial, existe uma lei federal que obriga a limpeza da cisterna. Trata-se da Lei 1893, do ano de 1991 (depois publicada via decreto 20356, do ano de 1994).

Assim como no caso industrial, a residência que lida com esse tipo de armazenamento também corre o risco de corrosões, porém o impacto à saúde é muito mais imediato, por lidar com a água utilizada pelos moradores.

O procedimento envolve uma série de cuidados essenciais, como uso de macacão, botas, máscara, luvas e afins. Porém o principal deles é que os profissionais nunca realizem o serviço sozinhos.

Essa é uma medida importante uma vez que o tanque gera sensação de confinamento e pode levar uma pessoa ao desmaio, o que seria fatal caso ela estivesse sozinha e não pudesse ser socorrida e levada para fora imediatamente.

As doenças evitadas por esse procedimento obrigatório são muitas, sendo as principais:

  • A diarreia;
  • A dengue;
  • A giardíase;
  • A febre tifoide;
  • A hepatite infecciosa;
  • A cólera.

Um trabalho bastante parecido com esse, com demanda residencial, ainda mais perigosa e que exige mais preparo dos profissionais, é o da manutenção de estação elevatória de esgoto.

Ali o risco não é apenas de corrosão do compartimento, bem como as doenças relacionadas não afetam apenas os moradores do local, mas também os profissionais que entram em contato com o compartimento a fim de realizar a higienização. Em sua norma NBR 12208 a ABNT regula esse tipo de serviço.

A higienização e os cilindros de gases

Um exemplo de demanda tipicamente industrial é a busca por trabalhos de higienização ligados a cilindros, botijões de gás e mangueiras. Neste caso, muitas vezes a limpeza não é interna em relação aos compartimentos.

Trata-se da demanda por um trabalho profissional de higienização do espaço em que os botijões se encontram. Aqui o esforço é o de evitar o enorme risco de qualquer manuseio errado, ou aplicação de produto químico de limpeza que possa comprometer a segurança dos que trabalham no local.

Assim, um cilindro de gas 20 kg, por exemplo, utilizado como combustível voltado para veículos como paleteiras e empilhadeiras industriais, pode exigir uma série de cuidados de alojamento e de manuseio, que vão muito além do uso de um simples suporte para botijão de gás utilizado nos casos domésticos.

Pensando nesses casos a ABNT publicou a sua famosa NBR 12176, que regula toda a parte de identificação, instalação e manutenção de cilindros para gases.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *