Itens que podem completar a sua garagem

Construir uma garagem pode parecer simples, mas se não se observar uma série de aspectos, como tamanho, posição e material utilizado, em pouco tempo, o que seria a solução para um impasse, acaba se tornando um problema sem solução.

A garagem deve atender a uma realidade, a uma rotina e, caso tudo não seja considerado e colocado na ponta do lápis, pode haver decepção na hora de tirar o projeto do papel.

O primeiro passo é definir que tipo de veículo será guardado no local: carro, moto, barco, bicicleta, carretinha ou algum tipo de reboque?

Diante disso, é necessário definir se o espaço escolhido para se construir a garagem é o suficiente. Para ajudar a fazer uma conta rápida, vamos às medidas: um carro ocupa, se consideramos o espaço para abertura de portas e circulação ao redor do veículo, entre 16 e 20 metros quadrados – isso pensando um espaço confortável.

Já uma motocicleta popular, de 5 a 7 metros quadrados. Já uma carretinha tem um tamanho médio de 4 metros quadrados. O barco, como varia muito, vai depender da medida feita pelo proprietário.

Depois de obter todas as dimensões, incluindo comprimento, largura e o espaço de abertura de portas e circulação entre os veículos, é hora de checar se o espaço em que a garagem será construída comporta a quantidade de veículos que se necessita.

É bom, na hora do esboço também fazer uma simulação sobre movimentação dos veículos, diante da rotina do local: é um lugar comercial em que o fluxo será de constante rotatividade? É a garagem de uma casa em que quase sempre utiliza-se um carro, e os outros ficam mais tempo guardado?

Para a primeira pergunta, caso seja uma área comercial, é preciso pensar, além do espaço de cada vaga de estacionamento, o espaço da circulação e manobra, além da legislação sobre reserva de vagas para idosos, deficientes e gestantes, bem como o tamanho diferenciado para cada uma delas. Nestes casos, é bom contratar um arquiteto e engenheiro para que tudo saia conforme você imaginou.

Se a garagem é para uma casa é viável priorizar a construção de um local para estacionar os carros de forma paralela.

Por exemplo, um lugar que possui dois carros, com os veículos estacionados de forma paralela, a entrada e saída da garagem fica independente, sem que seja necessário tirar um carro para colocar outro, ou vice e versa.

Se não houver espaço para elaborar desta forma, só resta pensar nas vagas em que um fica atrás do outro. Inclusive, se for um local em que a maioria dos veículos passa mais tempo guardada do que circulando, acaba sendo um modelo que não apresenta muitas desvantagens em relação ao tipo de vagas paralelas.

No caso de uma porta de aço, muitas vezes, é necessário comprar o motor para porta de aço, permitindo assim a abertura automatizada e facilitada, além de resultar em um ótimo componente de segurança.

Tipos de portões de garagem

Tão importante quanto escolher e planejar bem a forma como a garagem será elaborada é pensar em qual tipo de portão que o local receberá.

O tipo do portão, que pode ser um portão eletronico, está diretamente ligado ao tamanho do espaço, à forma como os veículos estão estacionados e também ao tipo de facilidade que o proprietário deseja. Existem alguns modelos de portões, como:

  • Portões eletrônicos;
  • Portões de correr;
  • Portão de madeira;
  • Portão de tela.

Portões de correr apresentam a vantagem de liberar mais espaço durante a abertura. Por exemplo, no caso de uma garagem em que dois ou mais carros estão estacionados de forma paralela, a abertura do portão, caso abranja toda a entrada, será bem maior, proporcionando melhor distribuição do espaço para manobra e evitando riscos de esbarrões.

A desvantagem é que deve haver espaço para locomoção do portão: o tamanho do portão deve estar livre para um lado ou para o outro, para instalação de trilhos na direção da abertura. Um dos itens muito usados na construção de garagens é bloco de cimento.

Em locais onde o espaço é menor e não há esta disponibilidade de área para escoamento do portão por meio dos trilhos, os modelos basculantes são uma melhor opção. Por abrirem para cima, não obstruem quaisquer lados.

Um detalhe a ser observado é o material do portão. Quanto mais pesado for, maior será a demanda de um motor mais potente para a abertura automática. Quanto mais leve, mais rápido pode ser o tempo de abertura. O ferro é o item menos indicado neste tipo de portão.

Por último, podemos citar os portões  de garagem que são divididos em duas folhas que se abrem, para frente ou para fora. Estes modelos são os mais tradicionais e antigos, como desvantagem, demandam espaço para abertura, seja para dentro ou para fora.

Neste caso, é necessário observar a distância em que os veículos estarão em relação ao portão. Quanto mais próximo, mais complicado fica utilizar este modelo. Para identificar a saída e entrada das garagens, muitas pessoas optam por um adesivo de silicone para fazer essa sinalização.

Tijolos de vidro ou concreto

O bloco de vidro vazado, ou tijolo de vidro, é muito usado em diversos ambientes, pois eles têm características que conseguem suavizar  o local, permitindo a passagem da claridade, mas sem que isso comprometa a a privacidade dos ambientes.

Há no mercado diversas opções de formatos, cores e texturas e são muito usados em halls de entrada, escadas, banheiros, entre outros.

A manutenção e limpeza deles é bem simples. Mas, diferente do elemento vazado de concreto, eles não suportam tanta carga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *